Como manter o ritmo das vendas de produtos artesanais? A artesã Regina Mello pediu ajuda para aumentar o número de encomendas. Ela nos escreve: “Faço artesanato para vender, mas não consigo manter um bom ritmo de vendas. Recebo uma encomenda ou outra, e gostaria que fosse uma coisa contínua. Montei um site para exibir meus trabalhos e fiz cartões anunciando meu site. Já vendi bastante para uma loja da cidade, mas desisti porque precisava vender barato demais para que pudessem revender. Agora estou tentando vendê-los eu mesma. Como devo proceder para aumentar as encomendas?”

Confira as sugestões do Faça Diferente para aumentar as vendas:

O artesanato pode ser comercializado por diferentes canais e formas. A escolha deve ser feita em função de cada produto. No caso de artesão sem ponto de venda, podem ser bons meios de venda:

1. Fazer parcerias com lojas que comercializam especificamente artesanato ou tem no seu portfólio produtos artesanais. Nesse tipo de relação comercial, é preciso lembrar que a loja precisa ter lucro, portanto seu preço tem que ser compatível para que possam colocar sua margem e ainda assim o produto ter atratividade para o consumidor. O ganho do artesão passa a ser na quantidade vendida, ou seja, a margem de lucro é menor por peça mas ganha no volume de vendas. Para obter maior lucro por peça terá que reduzir os custos de fabricação. Procure negociar melhor com seus fornecedores e diminuir seu tempo de produção.

2. Participar de feiras de artesanato e exposições, apesar de nem sempre serem os melhores locais de vendas. Eventos são excelentes lugares para divulgar os produtos e a marca. Não esqueça que essas participações têm também custos com espaço, decoração, etc. Procure o Sebrae no Estado, e participe de programas de apoio ao artesanato;

3. Venda virtual – Nesse caso, é possível optar por dois caminhos:

a) Existem diversos sites especializados em vendas, inclusive de artesanato, que comercializam espaços para você anunciar seus produtos, basta você realizar uma busca na internet, e encontrará vários deles, e aí fazer contato e verificar quais os que lhe oferecem melhores vantagens;

b) Montar sua uma loja virtual, um site de compras, preferencialmente bilíngüe, caso tenha intenção de exportar. Neste espaço, divulgue e facilite para que o seu potencial comprador efetive o pedido, coloque à vista o “carrinho de compras”. Atualize e alimente este site com novidades constantemente. Isso tem um custo operacional que precisa ser compensado pelo seu volume de vendas. Lembre-se que normalmente o preço do artesanato não costuma ser alto e não é essencial para o consumidor, então é mais difícil garantir um bom volume de vendas.

É importante informar no site os seguintes dados: telefone; endereço; e-mail; formas e condições de pagamento; e ter um sistema para efetivar e confirmar a compra. O cliente precisa saber o preço final, diferenciando o valor do produto das despesas de envio, antes de confirmar a compra.

4. Buscar outros mercados, sejam nacionais ou internacionais. O artesanato brasileiro tem grande aceitação no exterior, porém exportar requer uma série de cuidados e principalmente produção para poder atender aos pedidos de fora que normalmente são de grandes quantidades. Se você se interessar em exportar, procure o Sebrae mais próximo e acesse www.internacionalizacao.sebrae.com.br.

Para saber onde fica o escritório do Sebrae mais próximo, ligue 0800 570 0800 ou acesse www.sebrae.com.br/atendimento.